Após falha Uber é processado em 140 milhões

De acordo com o jornal francês Le Figaro, um empresário do país alega que uma falha do sistema da Uber fez com que sua mulher duvidasse de sua fidelidade, o que acabou por ocasionar o fim de seu relacionamento. O empresário entrou com a ação pedindo 45 milhões de euros o equivalente a 140 milhões de reais.

De acordo com as informações do jornal, o empresário vive em Grasse, uma cidade cerca de 50 quilômetros de distância de Nice no sul da França. Ele alega que depois de emprestar o celular de sua esposa e ter feito o pedido de uma viagem nele, o aplicativo continuou mostrando trajetos percorridos e viagens realizadas mesmo depois que o autor do processo desvinculou sua conta do aparelho.

O empresário francês afirma que sua esposa começou a desconfiar de sua verdadeira localização durante o dia. Mesmo dizendo que estava no trabalho, o aplicativo Uber mostrava a ela um itinerário completamente diferente, que o homem afirma não estava sendo realizado por ele, e sim por outra pessoa.

Aplicativos e redes sociais de grande porte são processados com frequência por usuários que não concordam com alguma funcionalidade.

Aqui no Brasil o Uber também foi processado por causa de sua funcionalidade. A maranhense Luiza Neta de 29 anos ganhou uma ação em primeira instância. Ela alegou que fez um deslocamento que previa uma duração de 40 minutos, mas que acabou durando 2h30, o que lhe fez perder um voo no Rio de Janeiro

Em 2014 25 mil usuários entraram com uma ação contra o Facebook a respeito da veracidade da privacidade online. Esse é considerado um dos maiores processos a chegar em um tribunal tendo como uma das partes uma rede social.

No ano passado foi a vez do Twitter ser processado. Uma viúva vítima de ataque realizado pelo Estado islâmico afirmava que o microblog facilitava para membros ou apoiadores da organização terrorista de propagar sua mensagem pelo Oriente Médio. Tamara Fields a viúva americana do ex soldado americano assassinado em serviço alegou que com a ferramenta a organização consegue até arrecadar dinheiro e atrair recrutas mais jovens.

O Le Figaro publicou que a audiência ocorrerá no mês que vem, e que um representante do aplicativo vai comparecer.