Inteligência artificial jurídica permite ajudar refugiados no Canadá e nos Estados Unidos

Um sistema que foi desenvolvido já faz um tempo e que estava em uso pela população norte-americana como uma ferramenta para resolver questões de multas de trânsito, foi readaptada para ajudar pessoas que estão passando por processos de imigração no Canadá e nos Estados Unidos, a conseguirem dar andamentos em questões simples, como por exemplo, preenchimento de formulários de imigração.

Parece pouco, mas são questões que necessitam de auxílio por boa parte das pessoas que estão em processo de imigração. O sistema readaptado foi uma iniciativa do programador Joshua Browder, um britânico que mora nos EUA e estuda na universidade de Standford. O sistema DoNotPay, também apelidado de “advogado-robô” é, na verdade, um chatbot, uma programação específica de computador que funciona como uma ferramenta própria para diálogos de texto ou por tirar dúvidas com informações no formato de áudio.

Esse sistema utiliza páginas de redes sociais como o Messenger, facebook, para realizar uma forma eficiente de buscar nos bancos de dados dessas páginas, uma formulação legal de respostas de auxílio atualizado em casos de multas de trânsito, e como deve proceder o usuário nessas questões. Browder nada mais fez do que uma adaptação técnica e criou a partir desta ferramenta uma outra que auxiliará diretamente pessoas com dúvidas sobre questões legais de documentação, asilo político e todos os processos de imigração que envolvem órgãos públicos e iniciativas privadas não governamentais.

Com apenas 20 anos, é considerado um grande exemplo por seus colegas em Stanford, Browder vive nos Estados Unidos e por ser britânico sua entrada no EUA é fácil, mas em sua família já houve casos de imigrantes refugiados, a avó paterna de Browder era uma refugiada judia austríaca que sofreu na pele os horrores do Holocausto, foi dai que ele se motivou e criou um sistema que facilitará a vida de muitas pessoas que estão passando por questões que não são fáceis. Em vista do quanto existe de burocracia para uma pessoa residir em um outro país, e se tratando dos EUA, com as novas políticas imigratórias muito mais rígidas que já estão sendo introduzidas pelo presidente Donald Trump, esse software que permite comunicação eficiente e de qualidade, ajudará em muito um grande número de pessoas e famílias imigrantes nos EUA e no Canadá.

As perguntas básicas realizadas pelo sistema, são perguntas voltadas diretamente para questões éticas, como por exemplo, se o imigrante sofreu algum tipo de discriminação, ou sobre os problemas enfrentados por ele em seu país de origem. Essa ferramenta foi desenvolvida com o auxílio de advogados de Standford, e tem embasamento jurídico vigente sobre leis de imigração ao longo da história.

Um grande número de perguntas determina se um refugiado é elegível para proteção legal, de acordo com a legislação internacional. Por exemplo: ‘Você tem medo de ser torturado em seu país?’”, diz Browder em entrevista a BBC Trending.

Uma vez que um usuário saiba que pode pedir asilo, o programa coleta centenas de informações sobre ele e automaticamente preenche um formulário de imigração. Todas as perguntas feitas pelo bot são em inglês simples, e há feedback da inteligência artificial durante a conversa.” Explica Browder.

Veja também, Robôs inteligentes serão “o melhor ou o pior” para humanidade, diz Hawking.